Ou “O que foi isso?!”

Voltamos novamente com esse grupo pra lá de misto numa das sagas que tem mais reviravoltas do que castelo de cartas num vendaval e que parece que finalmente as cartas estão acabando…

A edição inicia com a volta do velho “O que houve na última edição”, dando um resumo sobre os caminhos que levaram até aqui. Em seguida temos o elenco e o sideckick da edição, que dispensa apresentações, já que era praticamente sobre ele que esse arco rodou…

A história então começa com Mike Power e Krieger em meados de 1994 na instalação do Projeto Homem de Gelo, conversando sobre o que estavam por acontecer ao tentarem ativar o Talismã. Mike então, em dúvida sobre aquilo, toca o objeto e a sala então enche-se com um clarão seguido de um estrondo, o qual revela-se a até então perdida Axalon e de seu interior o até então desaparecido, e meio desorientado, Sargento Savage. Krieger adianta-se em explicar que tanto ele quanto a nave estavam perdidos no tempo e espaço por 50 anos. A conversa é abruptamente interrompida por Centurion avisando de que houve uma invasão na base aonde estavam, e logo a identidade dos invasores nada mais do que a Adventure Force, antiga Adventure Team.

Retorno da Lenda.

Krieger ordena para que Centurion não ataque o grupo, pois eles são aliados, enquanto Stalker identifica o corpo caído de Mike. Após um rápido exame, ele avisa de que o Homem-Atômico está morto, e Joe Colton esmurra Krieger. O grupo então velando seu aliado caído, quando um deslocado Sargento Savage questiona se aquele era o ano de 1944…

Nos dias atuais, no topo da Torre Onyx, em Buenos Aires. Savage contando sua história a Mayday, o quanto estava nervoso inicialmente, mas depois compreendeu aonde e quando estava. Além de perguntar como estava tudo no século 21, e ela apenas responde que havia muito mais robôs do que antes. Nisso vemos Krieger, rendido pelo Agente Simmons (um integrante da Action Man Programme – AMP), afirmando que era o alvorecer de uma nova era, e ele afirmando que poderia ajudá-lo. Sendo abruptamente interrompidos pela chegada dos G.I. Joe para levar Krieger para uma prisão pelo resto da vida. Mayday comunicando-se com Blackrock avisando que estão partindo. Blackrock muito excitado por analisar o Talismã em seu prédio, pergunta a ela se os Joes poderiam deixar ele continuar trabalhando no objeto. Ela então o lembra que ele escapou da custódia do grupo indo para outro planeta, na forma de Sovereign. Resmungando por ela sempre lembrar desse detalhe, ele pede a sua assistente para iniciar um procedimento para tentar reverter a situação da população que fora transformado em meio-Espectros.

Mudando a cena para aonde vemos Action Man e Bryce Chan, outro agente da AMP conversando sobre os pacientes que esperavam uma cura para sua mutação. Bryce não esconde seu entusiasmo, por poder trabalhar com os Joes, pois eles têm um especialista em DNA de Espectro, e assim aprender algo a mais do que sabem sobre eles. Ao contrário de Action Man, pois sente que causaram muitos danos e feriram muitas pessoas até aquele momento. A cena muda novamente para Centurion e Kup, o qual tenta explicar ao Eukariano sobre Cybertron, sem notar que o este estava hackeando os sistemas do prédio. Do lado de fora, as defesas automáticas da Torre Onyx, são ativados e começam a atacar os Joes que estavam se aproximando. Skywarp destrói os canhões permitindo que o grupo pudesse pousar sem perigo.


Dentro do prédio, Blackrock é trespassado por Camille, sendo na realidade Stormshadow disfarçada da assistente dele. Em outro cômodo, Kup nota o cabo de interface que Centurion estava usando para hackear o prédio, e este engatilhando as armas diz sentir muito por aquilo. No local aonde estão os pacientes mutados pelo Talismã, Bryce pergunta se Action Man também havia ouvido os disparos. Este confirma e fala que foram de Centurion, pois reconhecera o som delas, mas são abruptamente interrompidos pela Doutora X, com a arma em punho e rendendo a dupla. Neste momento, no topo da Torre Onyx, Barão Ironblood, Red Shadow e a Guarda de Outubro chegam via teleporte. O Barão reconhecendo o Sargento dá-lhe um ultimato: Juntar-se a ele ou morrer ali. O Sargento de cerrado os punhos, o chama pra porrada e o combate inicia-se!


O sistema de segurança da torre então começa a fecha-la com um capo de força, mas não antes de permitir que Lady J, Doc, Rock’n Roll e Roadblock pudessem entrar para se juntar a festa.


Savage esmurrando alguns Red Shadows lembra de como foi seu retorno na metade da década de 1990… Com muitos de seus amigos mortos ou velhos, além de Krieger se tornar um tipo de cientista louco apadrinhado pelo governo, ele levou um tempo para se ajustar; mas ainda assim conseguiu levar a vida. Entrou para um novo grupo “mais extremo”, além de fazer parceria com o Action Man da época. Lutando desde ecoterroristas, mutantes, gangues de skates e até mesmo ninjas. Ou nas palavras dele, foi uma Década dos Infernos, num bom sentido.

Os Anos 90, definidos numa imagem só.

Mas que tudo que era bom, durava pouco. E no alvorecer do Século 21, ele em seu velho P-40, voa até o Monte St. Helens, no qual avista e alveja um cybertroniano, além de alguns Joes que o enfrentavam.


O bicho então foge, mas é pego por Centurion que o imobiliza. Savage pousa seu avião, e vai de encontro aos Joes: Hawk, Scarlet e Stalker, além de Centurion. Hawk o interroga e ele se apresenta além de dizer que estava por lá por um chamado que havia recebido. Eles seguem Centurion até dentro do monte, e encontram lá uma base Decepticon abandonada. O grupo encontra-se com Krieger, Colton e Joshua Red – Antigo chefe do grupo de defesa chamado Skywatch que atuou na defesa contra os Cybertronianos antes deles se revelarem ao público. Stalker inconformado em relação a Colton, já que ele estava trabalhando com Krieger, algo que jamais faria antes. Colton e Savage conversam como ele o influenciou bastante em sua vida, e em como este estava vivendo no futuro. Chegam até uma sala ampla, o qual Savage reconhece o objeto no dentro dela, sendo ele o Talismã original. Ambos são interrompidos por Krieger que diz que a descoberta do tal obelisco é a coisa mais importante para toda humanidade. Um Cético Savage responde se fosse apenas para jogar os “ossos” de alguém no espaço. Krieger replica que aquele artefato seria a peça chave par a salvação da Terra da aniquilação, tudo que deveriam fazer era decifrar seus segredos. Joshua então começa a explicar o que conseguiram até então com o artefato, além de explicar um pouco sobre o que descobriram sobre os cybertronianos. Nesse momento Centurion traz consigo o cybertroniano de momentos atrás, e o prende no Talismã. Savage questionando o modo que eles estão agindo e apelando para o bom senso de Colton, pede para que parem o que estavam fazendo. Colton indiferente apenas ordena que Krieger explique a situação como ela realmente é. O cientista então fala que aquilo era necessário para poderem salvar o planeta de futuras invasões. Colton então ordena que Centurin pegue Savage e o jogue em cima do Talismã. E assim que este o toca, uma reação inicia-se destruindo o cybertroniano, mas no processo jogando ele numa viagem pelo tempo e espaço; não antes de observa a pessoa que mais o ajudou pela última vez…


Nos tempos atuais, vemos Savage partindo com tudo pra cima de Ironblood, dizendo saber quem era ele, e arrancando seu capacete, revela ser ninguém menos do que o finado Joe Colton.


E com o sentimento de fim no ar, Barber brinca com nossas emoções em praticamente mudar a trama toda nos últimos minutos do segundo tempo. Tudo que sabíamos era de que um artefato de origem desconhecida, havia sido achado e modificado toda uma cidade, e o dever dos heróis era saber como reverter isso. Num revês inesperado e sem muita forçação de barra, a trama evolui para algo bem maior. A arte novamente variando entre as duas narrativas temporais, desenhada por Ron Joseph, Fico Ossio (um pouco cansado) e uma página solitária de Guido Guidi.

Nota: 8,0/10

Quem é Quem.

Aquele velho álbum de figurinhas incompleto (perdi as contas de quantos eu tive incompletos XD) de quem são os personagens e como chegaram ali.

G.I. Joe: A Real American Hero.

No final da década de 1970, os EUA sofriam com a chamada 3ª Crise do Petróleo do qual o preço do barril aumentava mais do que o normal, obrigando a pagar mais por ele, e como precisavam dele para algumas coisas, principalmente os plásticos, o que obrigou a Hasbro a mudar os antigos bonecos de 12” (30cm) para 3 ¾” (9,52 cm) para baratear na fabricação; além do que a coleção de Star Wars da Kenner, ligeiramente maiores com 4” (10 cm) estava vendendo muito bem para o tamanho.

Tem aqueles que constroem a fonte…

Com essa decisão, a Hasbro decidiu fazer um relaunch de sua principal linha, agora num foco mais abrangente do que a anterior. E em 1982 surgiram os G.I. Joe: A Real American Hero, com mais diversidades de personagens, além de veículos. Tornando-se um tremendo sucesso até hoje; ganhando várias expansões, além de versões alternativas, mas com todas em comum, um grupo especial secreto dentro do exército americano contra o grupo terrorista Cobra (excerto na versão Extreme do qual o vilão era o grupo KAOS).

…e os que bebem direto dela.

Gerando 5 series animadas, além de 4 longas animados e 2 longas em live action. Como era comum, existiam duas versões, uma animada e outra em quadrinhos e ambas não eram tão diferentes assim, com exceção de alguns detalhes. Enquanto que na versão animada era apenas citado como uma força de operações altamente treinada para combater a organização terrorista chamada COBRA, em sua versão em quadrinhos o grupo já existia como um segmento do exército americano, conhecido como Elite Counter-Terrortist Strike Force: G.I. Joe, de conhecimento público, enquanto que COBRA começava a sair das sombras.

1982, quando tudo começou.

Na encarnação atual G.I. Joe continua sendo um exército especial também conhecido como Counter-Terrorist Group Delta. Criado em 2006 por Joe Colton para agir como um grupo black ops em missões sem o conhecimento do público.

Após vários incidentes internos como a revelação da existência deles junto a guerra secreta contra COBRA, a invasão de Megatron a Nova York, e o incidente em Nanzhao, o grupo, após derrotar a organização criminosa COBRA em 2014, foi descomissionado a favor da Earth Defense Force (EDF), retornando só em 2016 com o retorno de Optimus Prime e seus planos de anexar a Terra ao Conselho de Mundo de Cybertron.
Atualmente o grupo tem como base de operações a nave Decepticon Nemesis (renomeada para Lemuria por Shipwreck), além do “auxílio” do ex-Decepticon Skywarp e comandados por Scarlet, antigo braço direito de Colton.

G.I. Joe, versões Pré e Pós-Revolução.

Uma curiosidade pertinente: G.I. Joe significa Government Issue Joe, na tradução próxima é Soldado do Exército Joe (Sim, eu sei que seria Assunto Governamental Joe, mas aí ficaria bem estranho).

Guarda de Outubro.

Durante o auge da Guerra Fria, a Hasbro decidiu criar um grupo rival aos Joes financiados pelo Kremlin. Inicialmente chamada de Pravda Patrol (Patrulha da Verdade), não obteve um apelo comercial e foi então renomeada para Oktober Guard (Guarda de Outubro). E em 1982, na revista dos Joes publicada pela Marvel foi a estreia deles, fazendo um relativo sucesso.

Aquela primeira aparição que dá uma certa vergonha alheia…

Sua versão animada viria a dá as caras apenas em 1985 no episódio The Invaders. Sem muitas alterações em ambas as versões. Na encarnação atual, a Oktuber Guard é uma força de elite com os maiores e mais mortais soldados do exército russo, sob as ordens do Coronel Shtern. Foram reunidos assim que a organização COBRA começou sua invasão à Rússia.

A Guarda atual.

O grupo se tornou renegado quando Major Bludd, até então prisioneiro do coronel Shtern, o matando e atirando, usando o Czar Cannon, contra uma base COBRA e um prédio governamental em Vladisvostok, fazendo deles então fugitivos e traidores. Chantageando em seguida o grupo para quer o aceitassem como líder se quisessem viver.

VOCÊ TAMBÉM QUER VER SEU TEXTÍCULO, IMORTALIZADO NO BDE? CAPRICHE NAS IMAGENS, DEIXE A LUÇ DE DADÁ GUIAR SEUS DEDINHOS E MANDE TUDO PARA OBAILEDOSENXUTOS@GMAIL.COM.

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Suruba do cão.

    As revistas dos GiJOES da década de 90 eram FODAS, desenhos lindos e roteiros marcantes de Larry Hama, que escreveu muitos anos as histórias (e boas) do Wolverine.

  • Frogwalken
    • Sir Jones Kast, Ph.D.

      Nuoossa

  • starscream2

    Que bagunça… 7 edições e o Barber só conseguiu enrolar. Os Cobras fazem muita falta nas histórias dos Joes e, por mais esforço que a IDW tente fazer, até forçando a barra, não há nenhum adversário-substituto à altura deles. Aliás, o fim das Guerras entre Joes, Cobras, Decepticons e Autobots descaracterizou bastante essas personagens. Parece que um dos reflexos dessa postura da IDW é a queda nas vendas das revistas.

    • Anubis_Necromancer

      Eu sei como é. Afinal Cobra estava lá no começo e mudar assim drasticamente nunca beneficiou a franquia. Nem quando fizeram a KAOS deu certo, tanto que foi por isso que a Extreme foi cancelada.
      A mudança para o Red Shadows até que seria obvia, já que eles fizeram sucesso lá na Europa, mas a galera não curtiu nada o Ninja Style deles.
      Só espero que esse retorno da organização possa suprir a falta de um inimigo principal.
      http://2.bp.blogspot.com/-8bhFTd6xFGs/Wd4OBuoQ6TI/AAAAAAAAApg/nX3bvypORz4Q-Ld-Z6KlYfbuGbjwgw1ngCHMYCw/s1600/RCO024.jpg

    • Anubis_Necromancer

      Não acho que descaracterizou muito, ok teve seu wtf.
      Mas isso que acontece no pós-guerra sempre.
      Pessoas deixaram de lutar e voltaram as suas vidas, ou a fazer algo novo, como o Blur virar dono de bar, promessa que ele fez ao “couch” dele no começo da guerra.

    • Criar vilões, a altura dos heróis, é algo bem complicado. Não me lembro de nenhum vilão novo memorável, criado recentemente, para os velhos heróis dos quadrinhos.

  • Eduardo

    G.I. Joe = Agente para Missões Governamentais.
    Joe seria diminutivo de John “Doe” (“Zé Ninguém” ou “Zé da Silva”), mais adequado à linha de bonequinhos, digo, ao perfil dos personagens.

    • Anubis_Necromancer

      Isso, só depois de uns anos que nomearam ele para Joe Colton, que virou o nosso Falcon^^
      (Ainda não comprei ele do revival da Estrela…)

  • O Imatável Polvo Aranha

    Por essas que a IDW é a editora que vale hoje em dia.