Gibis nunca são demais!

HQ “A Terrível Elizabeth Dumn Contra os Diabos de Terno” envolve leitores com a vitalidade da misteriosa protagonista e um traço único!!

 Lançamento da Editora IHQ  chega as bancas de todo o Brasil.

O artista Arabson Assis é a mente por trás de “A Terrível Elizabeth Dumn contra os Diabos de Terno”, quadrinho lançado pelo Instituto HQ na Comic Con Experience 2016,  e foi indicada ao troféu HQMIX 2017.

A história gira em torno do negócio que o pai de Elizabeth, uma menina nada sociável e de gênio forte, fez com um estranho homem. Esse sujeito lhe aparece 20 anos depois para cobrar a dívida, acerto que muito mais parece um pacto sobrenatural. Assustado e aparentemente culpado, o patriarca da família Dumn oferece a complicada filha como moeda de troca.

No desenrolar da trama, os leitores dão-se conta que levar Elizabeth não vai ser tão fácil assim. Afinal, ela também não parece desse mundo. Sua força descomunal é um tempero a mais para a raiva acumulada nos mais de 10 anos em que passou em um internato. Ao retornar para casa, a adolescente mostra que não poupará esforços para mandar o nada bem-vindo visitante para o lugar de onde veio. Nem mesmo seu velho pai, um agora pastor evangélico, fará a menina mudar de ideia.

Título: “A Terrível Elizabeth Dumn Contra os Diabos de Terno”
Formato: 19 x 29 cm
Número de páginas: 64
Editora: Instituto HQ
Preço de capa: R$ 40,00

“Pátria Armada: Visões de Guerra” é chega às bancas de todo o país.

Publicada pelo Instituto HQ, coletânea assinada por mais de 50 de artistas e roteiristas recria o universo idealizado por Klebs Junior e premiado com o Prêmio HQMIX de melhor ‘Minissérie’.

Após realizar a pré-venda de “Pátria Armada: Visões de Guerra” por meio da plataforma Catarse, o Instituto HQ enfim lançou o título na Comic Com Experience 2016, evento que rolou entre os dias 1º e 4 de dezembro de 2016. A saga idealizada por Klebs Junior, que garantiu o Prêmio HQMIX 2016 de ‘Melhor Minissérie’, agora chega a bancas e livrarias do país.

Nomes como Zé do Caixão, LizVamp, Laudo Ferreira, Carlos Ruas e Henrique Kipper estão entre os mais de 50 artistas convidados. É deles a missão de retratar, cada um em seu estilo e sob sua ótica, o Brasil imerso em uma Guerra Civil após a tentativa de golpe militar ao governo do então presidente João Goulart, em 1964, e após atentados com bombas químicas no estado de São Paulo, em 1972, ação terrorista que matou mais de meio milhão de pessoas, causando doenças genéticas e possibilitando o nascimento de brasileiros com superpoderes.

Com 188 páginas e quase 40 histórias paralelas, a coletânea “Pátria Armada: Visões de Guerra” traz aventuras para que aficionados por quadrinhos tenham ainda mais certeza de que é possível se extrair ótimas histórias a partir da cultura brasileira e, ainda, dar vida a personagens como a paulista Cristina Menezes, que tem controle absoluto sobre as feromônios do corpo, podendo causar qualquer sensação nas pessoas, desde ódio e medo a prazer.

Título: “Pátria Armada: Visões de Guerra”
Formato: 17 x 26 cm
Número de páginas: 188
Editora: Instituto HQ
Preço de capa: R$ 65,00
Lançamento: Dezembro de 2016

SOBRE O “INSTITUTO HQ”

Misto de Escola, Estúdio e Editora, o Instituto HQ agencia quadrinistas já consolidados no mercado, permitindo que eles estejam trabalhando para as principais editoras no Brasil e no exterior, entre elas Marvel, DC Comics e Titan; oferece cursos em diversas áreas àqueles que estão dando os primeiros passos e encaminha artistas que querem se aprimorar. Além disso, como editora, publica quadrinhos de seus alunos, professores e agenciados, com destaque para títulos como “Pátria Armada”, “Syam”, “Solstice Ville” e “Nikkei”.

  • Daniel Gonçalves de Amorim

    Eu gostei das premissas de ambas as histórias. E como o Canoa Furada furada escreveu, é legal ler história com super poderes no Brasil. A maioria das histórias HQ brasileiras costumam ser noir com sacanagem ou comédia, com sacanagem.

  • Canoa Furada

    Essa primeira sinopse é bem interessante.

    Legal ver hq’s sobre super’s no BR, porque eu sempre comparo com minhas ideias de historias pra saber se são clichês ou não.

  • O_Comentarista

    O conceito do Pátria Armada é interessante.

  • Frogwalken

    Curti, vou esperar uma promoção boa. =D

  • Legal a iniciativa da editora. Investir no mercado nacional para quadrinhos, é uma empreitada difícil e corajosa.

  • Super do BdE

    Pátria Armada tinha uns desenhos bons. Lembrava o Brian Hitch.