…e a diretora Patty Jenkins e a eterna Mulher-Maravilha, Lynda Carter, rebatem a crítica.

Olá, Enxutos, que amam uma treta entre famosos!

O primeiro filme da Mulher-Maravilha sempre esteve envolvido em várias polêmicas e, após ele ter sido um sucesso nos cinemas, elas ainda continuam!

A bola da vez é James Cameron, que afirmou, em entrevista ao The Guardian, que não vê Mulher-Maravilha como um filme transgressor e comparou a personagem principal do filme a Sarah Connor, de O Exterminador do Futuro, longa que ele mesmo dirigiu:

Ela é um ícone objetificado. É a Hollywood masculina fazendo a mesma coisa de sempre! Não estou dizendo que não gostei do filme, mas, para mim, é um passo para trás. Já Sarah Connor não era um ícone de beleza. Era forte, com problemas, uma mãe terrível e ela ganhou o respeito do público. Para mim, [o benefício de personagens como Sarah] é tão óbvio. Quer dizer, metade do público é feminino.”

SARAH CONNOR, EM O EXTERMINADOR DO FUTURO QUE VALE.

Imediatamente a diretora do filme da Maravilhosa, Patty Jenkins, deu sua resposta no Twitter:

“A incapacidade de James Cameron entender o que Mulher-Maravilha é e o que significa para mulheres de todo o mundo não é uma surpresa, já que, apesar de ser um ótimo cineasta, ele não é uma mulher. Mulheres fortes são ótimas. Os elogios dele para o meu filme Monster: Desejo Assassino e nosso retrato de mulheres fortes, ainda que problemáticas, foi tão apreciado, mas se as mulheres sempre precisam ser difíceis, duronas e perturbadas para serem fortes, não estamos livres para sermos multidimensionais ou celebrar um ícone para mulheres do mundo todo, por ela ser atraente e amável, não chegamos muito longe, não é mesmo? Acredito que mulheres podem e devem ser TUDO, assim como protagonistas masculinos devem ser. Não há um tipo certo ou errado de mulher poderosa e o grande público feminino, que fez esse filme ser o sucesso que é, certamente pode julgar e escolher os seus próprios ícones de progresso.”

“VÁ FAZER AS CONTINUAÇÕES DE AVATAR E PARA DE FALAR MERDA, QUERIDO!”
Recomendação do Sorg

No entanto, James Cameron, em entrevista ao Hollywood Reporter, manteve sua opinião:

“Sim, mantenho isso. Quer dizer, ela [Gal Gadot] foi a Miss Israel e ela estava usando uma espécie de bustiê que era bem justo. Ela é absolutamente linda. Para mim, isso não é inédito. Eles tinham Raquel Welch fazendo essas coisas nos anos 1960. Era tudo no contexto de falar sobre a Sarah Connor – o que Linda Hamilton criou em 1991, era, senão à frente de seu tempo, pelo menos um avanço para a época. Não penso que seja realmente à frente de seu tempo, porque ainda não estamos [dando estes papéis às mulheres].”

“NA VERDADE EU QUERIA SER QUE NEM ELA!”

Após isso, Lynda Carter, atriz que interpretou a heroína na série dos anos 1970, usou sua página no Facebook para contestá-lo:

James Cameron, pare de criticar Mulher-Maravilha, pobre alma! Talvez você não entenda a personagem. Eu certamente entendo. Como todas as mulheres, somos mais do que a soma de nossas partes. Seus golpes em uma diretora brilhante, Patty Jenkins, são mal-aconselhados. O filme é certeiro. Gal Gadot foi ótima. Eu sei, Sr. Cameron, porque encarnei essa personagem por mais de 40 anos. Então, PARE COM ISSO!”

QUE FRALDA, LYNDA!

Nossa! Um lado não compreende o outro e ambos tem razão, em certo grau, no que dizem, mas acredito até que amenizaram bastante no filme o apelo sexual visual que a Mulher-Maravilha tinha nos quadrinhos, criando para ela um uniforme mais de guerreira grega, no lugar do clássico maiô fetichista estrelado.

Comentários Facebook (O DISQUS ESTÁ ATR... LOGO ABAIXO)

Comentários Disqus

BDE1