Salve enxutos! Chegou o dia do ano que toda a sua timeline do Facebook vira crítico / expert em cinema por conta do Oscar, que acontece hoje, domingo 04/03/2018. Pois bem, esse ano o cão que vós escreve maratonou os filmes candidatos às principais categorias e vem lhes dar (opa) uns pitacos sobre quem leva o Norrin Radd do ano. TEM SPOILERS DE LEVE SOBRE OS FILMES, OK?

Antes de começarmos, saquem só quem está concorrendo a que. Sinopses retiradas DAQUI.

Melhor filme:

A Forma da Água (The Shape of Water)

Década de 60. Em meio aos grandes conflitos políticos e transformações sociais dos Estados Unidos da Guerra Fria, a muda Elisa (Sally Hawkins), zeladora em um laboratório experimental secreto do governo, se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa e maltratada no local. Para executar um arriscado e apaixonado resgate ela recorre ao melhor amigo Giles (Richard Jenkins) e à colega de turno Zelda (Octavia Spencer).

Eu provavelmente estou ficando velho mas sinceramente não vi isso tudo no último trabalho do meu xará. É uma ótima fábula, bem escrita e dirigida maaaaaas eu realmente não vejo o filme com os mesmos olhos que as outras pessoas que estão arrancando as cuecas pelas cabeças. Mas é um dos fortes candidatos.

Corra! (Get Out)

Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

Recomendação do Sorg

Esse é um que eu estava achando sensacional até o transplante de cérebros. A suspensão de descrença tinha que ser muito grande e isso me tirou um pouco da trama. Mas isso não desmerece a película que carrega um peso ainda maior por ser a primeira de Jordan Peele. Tem uma história poderosa com uma crítica nua e crua jogada na sua cara.

Dunkirk

Na Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier (Tom Hardy) precisa destruir um avião inimigo, um dia inteiro em alto mar, onde o civil britânico Dawson (Mark Rylance) leva seu barco de passeio para ajudar a resgatar o exército de seu país, e uma semana na praia, onde o jovem soldado Tommy (Fionn Whitehead) busca escapar a qualquer preço.

Falei sobre ele AQUI.

Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

Christine McPherson (Saoirse Ronan) está no último ano do ensino médio e o que mais deseja é ir fazer faculdade longe de Sacramento, Califórnia, ideia firmemente rejeitada por sua mãe (Laurie Metcalf). Lady Bird, como a garota de forte personalidade exige ser chamada, não se dá por vencida e leva o plano de ir embora adiante mesmo assim. Enquanto sua hora não chega, no entanto, ela se divide entre as obrigações estudantis no colégio católico, o primeiro namoro, típicos rituais de passagem para a vida adulta e inúmeros desentendimentos com a progenitora.

Lady Bird é um filme meio indie, bonitinho, fofinho, com personagens que dialogam direto com o público (quem nunca foi adolescente) mas é só. Eu não vejo esse filme muito como Oscar material.

Me Chame pelo Seu Nome (Call Me by Your Name)

O sensível e único filho da família americana com ascendência italiana e francesa Perlman, Elio (Timothée Chalamet), está enfrentando outro verão preguiçoso na casa de seus pais na bela e lânguida paisagem italiana. Mas tudo muda quando Oliver (Armie Hammer), um acadêmico que veio ajudar a pesquisa de seu pai, chega.

Viados bichas! Seus dois bichas! (fazia tempo que uma citação de Feira da Fruta se encaixava tão bem em um texto). Esse é outro que eu creio que corre por fora. A delicada história de amor de Élio e Oliver, penso eu, tem poucas chances de ganhar como melhor filme.

O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Winston Churchill (Gary Oldman) está prestes a encarar um de seus maiores desafios: tomar posse do cargo de Primeiro Mnistro da Grã-Bretanha. Paralelamente, ele começa a costurar um tratado de paz com a Alemanha nazista que pode significar o fim de anos de conflito.

Provavelmente esse filme dará o Oscar ao Gary Oldman. Darkest Hour serve como complemento para Dunkirk, mostrando o “lado b” da famigerada retirada dos exército inglês assim como a subida de Churchill ao posto de Primeiro Ministro britânico.

The Post: A Guerra Secreta (The Post)

Kat Graham (Meryl Streep) é a dona do The Washington Post, um jornal local que está prestes a lançar suas ações na Bolsa de Valores de forma a se capitalizar e, consequentemente, ganhar fôlego financeiro. Ben Bradlee (Tom Hanks) é o editor-chefe do jornal, ávido por alguma grande notícia que possa fazer com que o jornal suba de patamar no sempre acirrado mercado jornalístico. Quando o New York Times inicia uma série de matérias denunciando que vários governos norte-americanos mentiram acerca da atuação do país na Guerra do Vietnã, com base em documentos sigilosos do Pentágono, o presidente Richard Nixon decide processar o jornal com base na Lei de Espionagem, de forma que nada mais seja divulgado. A proibição é concedida por um juiz, o que faz com que os documentos cheguem às mãos de Bradlee e sua equipe, que precisa agora convencer Kat e os demais responsáveis pelo The Post sobre a importância da publicação de forma a defender a liberdade de imprensa.

The Post meio que tem a cara do Oscar: dirigido pelo Spielberg, estrelado pelo Tom Hanks e Meryl Streep, baseado em fatos reais de um momento chave da imprensa e do governo norte americano. Mesmo assim, acho que não leva.

Trama Fantasma (Phantom Tread)

Década de 1950. Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis) é um renomado e confiante estilista que trabalha ao lado da irmã, Cyril (Lesley Manville), para vestir grandes nomes da realeza e da elite britânica. Sua inspiração surge através das mulheres que constantemente entram e saem de sua vida. Mas tudo muda quando ele conhece a forte e inteligente Alma (Vicky Krieps), que vira sua musa e amante.

Eu gosto muito do trabalho do Paul Thomas Anderson e do Daniel Day-Lewis mas não vejo Trama Fantasma levando o prêmio de melhor filme. A história da relação meio doentia do estilista Reynolds com sua musa Alma é brilhantemente contada (como todos os filmes do diretor), é muito bem escrito e dirigido e pode ser que leve. Ou não.

Três Anúncios Para um Crime (Three Billbboards Outside Ebbing, Missouri)

Inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha, Mildred Hayes (Frances McDormand) decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. A inesperada atitude repercute em toda a cidade e suas consequências afetam várias pessoas, especialmente a própria Mildred e o Delegado Willoughby (Woody Harrelson), responsável pela investigação.

Esse é um dos meus preferidos. É um filme bem menor, com uma história mais intimista e atuações absurdamente fortes.

Quem eu acho que leva: pra mim fica entre A Forma da Água, Corra! Trama Fantasma e Três Anúncios Para um Crime.

Quem eu acho que deveria levar: Dunkirk ou Três Anúncios Para um Crime são, de longe, meus preferidos. Gostei muito de The Post e O Destino de uma Nação mas, para afunilar entre os noves, fico com os dois supracitados.

Direção:

Christopher Nolan – Dunkirk

Greta Gerwing – Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

Guillermo Del Toro – A Forma da Água (The Shape of Water)

Jordan Peele – Corra! (Get Out)

Paul Thomas Anderson – Trama Fantasma (Phantom Tread)

Quem eu acho que leva: Guillermo Del Toro

Quem eu acho que deveria levar: Jordan Peele

Dizem que assim como o Oscar de melhor ator, o de diretor já vem com um nome escrito: Del Toro. Mas eu realmente estou torcendo para o diretor estreante da noite. O que ele apresenta em Corra! demonstra uma maturidade que muito profissional de Hollywood ainda está longe de alcançar.

Melhor Ator

Daniel Day-Lewis – Trama Fantasma (Phantom Tread)

Daniel Kaluya- Corra! (Get Out)

Denzel Washington – Roman J. Israel, Esq.

Roman J. Israel (Denzel Washington) é um advogado determinado e honesto, acostumado a ver os outros ganharem crédito por seu bom trabalho. Ele defende que os criminosos sejam julgados de forma justa e não teme ir contra o sistema. Porém, quando seu sócio sofre um ataque cardíaco, a firma é fechada e Roman é convidado a assumir um cargo na companhia do ambicioso George Pierce (Colin Farrell), que se importa mais com o dinheiro do que com a justiça. O que ele não imaginava é que passaria a questionar seus próprios valores em meio aos perigosos bastidores do poder.

Gary Oldman – O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Timothée Chalamet – Me Chame pelo Seu Nome (Call Me by Your Name)

Quem eu acho que leva: fica entre Oldman, Washington e Day-Lewis. Fácil. Mas, dizem as más línguas que essa estatueta já vem com o nome do Gary Oldman gravado pelo papel de Churchill.

Quem eu acho que deveria levar: aqui eu acho que Day-Lewis e Washington saem na frente do que Gary Oldman porque os personagens de ambos são completamente ficcionais. O trabalho do ator em compor o que o roteirista criou é absurdamente maior do que usar uma referência de alguém real. Dito isso, meu voto é pro Day-Lewis que, apesar de eu não ter gostado muito de Trama Fantasma, faz um trabalho absurdamente maravilhoso.

Melhor Atriz:

Frances McDormand – Três Anúncios Para um Crime (Three Billbboards Outside Ebbing, Missouri)

Margot Robbie – Eu, Tonya (I, Tonya)

Desde muito pequena exibindo talento para patinação artística no gelo, Tonya Harding (Margot Robbie) cresce se destacando no esporte e aguentando maus-tratos e humilhações por parte da agressiva mãe (Allison Janney). Entre altos e baixos na carreira e idas e vindas num relacionamento abusivo com Jeff Gillooly (Sebastian Stan), a atleta acaba envolvida num plano bizarro durante a preparação para os Jogos Olímpicos de Inverno de 1994. Baseado em fatos reais.

Meryl Streep – The Post: A Guerra Secreta (The Post)

Sally Hawkins – A Forma da Água (The Shape of Water)

Saoirse Ronan – Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

Quem eu acho que leva: Frances McDormand.

Quem eu acho que deveria levar: Frances McDormand mesmo. Não tem muito o que dizer. O que ela apresenta em Três Anúncios para um Crime é sensacional. Mas se Sally Hawkins levar, também ficaria feliz. A britânica apresenta uma interpretação tão delicada, carismática e forte sem dizer um única palavra. E também ficaria feliz em ver a Saoirse Ronan levar o careca dourado pra casa mas acho bem improvável.

Ator Coadjuvante:

Christopher Plummer – Todo Dinheiro do Mundo (All The Money In The World)

Itália, 1973. John Paul Getty III (Charlie Plummer) é o neto favorito do magnata do petróleo J. Paul Getty (Christopher Plummer), um dos primeiros bilionários da história da humanidade. O sequestro do rapaz coloca a sua mãe, Gail Harris (Michelle Williams), em uma corrida desesperada para convencer o ex-sogro a pagar o resgate milionário do filho. Frio, manipulador e mesquinho, Getty irá encarregar o ex-espião Fletcher Chase (Mark Wahlberg), seu homem de confiança, de descobrir quem e o que está por trás do crime, solucionando o problema sem o desperdício de nenhum centavo de sua fortuna.

Richard Jenkins – A Forma da Água (The Shape of Water)

Willem Dafoe – Projeto Flórida (The Florida Project)

Moonee (Brooklynn Prince), uma agitada garotinha de seis anos, apronta com o vizinho Scooty (Christopher Rivera) e faz novas amizades nas redondezas dos parques Disney. Ela vive com a mãe (Bria Vinaite) numa hospedagem de beira de estrada e as duas contam com a proteção do gerente Bobby (Willem Dafoe) na batalha diária pela sobrevivência com poucos recursos e muitos riscos.

Sam Rockwell – Três Anúncios Para um Crime (Three Billbboards Outside Ebbing, Missouri)

Woody Harrelson – Três Anúncios Para um Crime (Three Billbboards Outside Ebbing, Missouri)

Não assisti Projeto Flórida e Todo Dinheiro do Mundo.

Quem eu acho que leva: Sam Rockwell

Quem eu acho que deveria levar: Sam Rockwell mesmo. O redneck Dixon de Três Anúncios Para um Crime, acreditem se quiser, acaba por se mostrar um personagem complexo e, dos três candidatos assistidos, acho o mais forte a ganhar o Surfista na noite de hoje.

Atriz Coadjuvante:

Allison Janney – Eu, Tonya (I, Tonya)

Laurie Metcalf – Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird)

Lesley Manville – Trama Fanstama (Phantom Thread)

Mary J. Blige – Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi (Mudbound)

A tímida Laura (Carey Mulligan) acredita ter tirado a sorte grande quando encontra Henry McAllan (Jason Clarke), um homem um pouco bruto, mas interessado nela. Logo após o casamento, a família se muda para uma fazenda no chuvoso delta do Rio Mississipi. Enquanto Laura enfrenta dificuldades para se adaptar à vida rural, ela é confrontada com uma família negra, os Jackson, responsáveis por ajudar no trabalho pesado com o plantio e a colheita. Duas posições muito distintas se desenham na família: enquanto o pai idoso de Henry, Poppy McAllan (Jonathan Banks), luta para manter os privilégios dos brancos no terreno, o irmão de Henry, Jamie McAllan (Garrett Hedlund), desenvolve uma boa amizade com o filho dos caseiros, Ronsell Jackson (Jason Mitchell), pelo fato de ambos compartilharem traumas da guerra. Um violento conflito de etnias, gêneros e classes sociais marca a convivência entre os McAllan e os Jackson.

Octavia Spencer –  A Forma Da Água (The Shape Of Water)

Não assisti Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi

Quem eu acho que leva: talvez Octavia Spencer (apesar de eu achar nada demais na personagem dela) ou Allison Janney pela caricatural LaVona.

Quem eu acho que deveria levar: Laurie Metcalf pelo lindíssimo papel da mãe de Lady Bird.

Roteiro Original:

A Forma Da Água (The Shape Of Water) por Guillermo Del Toro e Vanessa Taylor

Corra! (Get Out) por Jordan Peele

Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird) por Greta Gerwig

Três Anúncios Para um Crime (Three Billbboards Outside Ebbing, Missouri) por Martin McDonagh

Doentes de Amor (The Big Sick) por Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon

O comediante e motorista de Uber paquistanês Kumail (Kumail Nanjiani) e a estudante de psicologia Emily (Zoe Kazan) se apaixonam em Chicago, mas encontram dificuldades no momento em que suas culturas entram em conflito. Quando Emily contrai uma doença misteriosa e é colocada em coma, Kumail tenta enfim resolver o conflito emocional entre sua família e seu coração.

Não assisti Doente de Amor

Quem eu acho que leva: A Forma da Água ou Corra!

Quem eu acho que deveria levar: Corra! ou Três Anúncios Para um Crime. Vou ser repetitivo: acho que Jordan Peele pecou no lance do transplante de cérebros mas a crítica social nesse filme é forte demais para não levar o dildo dourado. Mas se Martin McDonagh levar, é justo.

Roteiro Adaptado:

A Grande Jogada (Molly´s Game) por Aaron Sorkin

Após perder a chance de participar dos Jogos Olímpicos devido a uma fatalidade que resultou em um grave acidente, a esquiadora Molly Bloom (Jessica Chastain) decide tirar um ano de folga dos estudos e ir trabalhar como garçonete em Los Angeles. Lá conhece Dean Keith (Jeremy Strong), um produtor de cinema que decide contratá-la como assistente. Logo Molly passa a coordenar jogos de cartas clandestinos, organizados por Dean, que conta com clientes muito ricos e famosos. Fascinada com o ambiente e a possibilidade de enriquecer facilmente, Molly começa a prestar atenção a todos os detalhes para que ela própria possa organizar jogos do tipo.

Logan por Scott Frank, James Mangold e Michael Green

Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Me Chame pelo Seu Nome (Call Me by Your Name) por James Ivory

Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi (Mudbound) por Dee Rees e Virgil Williams

O Artista do Desastre (The Disaster Artist) por Scott Neustadter e Michael H. Weber

Greg Sestero (Dave Franco) se aproxima do excêntrico Tommy Wiseau (James Franco) após uma aula de atuação e os dois desenvolvem uma intensa amizade ancorada no sonho em comum de fazer sucesso nas artes dramáticas. Juntos eles partem para Hollywood, onde Tommy, cansado de ser rejeitado em testes, decide produzir, financiar, dirigir, escrever e protagonizar – ao lado do melhor amigo – o longa-metragem que o catapultará ao estrelato: “The Room”.

Não assisti A Grande Jogada e Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi

Quem eu acho que leva: Me Chame Pelo seu Nome

Quem eu acho que deveria levar: O Artista do Desastre. I DID NOT HIT HER. IT´S NOT TRUE, IT´S BULLSHIT, I DID NOT HIT HER. I DID NAAAAT. OH, HI MARK!

Então é isso, cinéfilos do meu S2. Nos vemos no Oscar!

Comentários Facebook (O DISQUS ESTÁ ATR... LOGO ABAIXO)

Comentários Disqus

BDE1