E será que o Sr. Ridley Scott finalmente se redimiu do abominável Prometheus? Sigam-me os bons.

Antes da resposta, senta que o Titio Sorg vai contar uma historinha:  em 1979 um jovem cineasta britânico apavorou o mundo e abriu portas para um novo estilo de filme (Sci-Fi horror) com Alien. Deixando a excelência do filme de lado, um detalhe na história escrita por Dan O´Bannon e Ronald Shusett deixou os fãs com uma gigantesca incógnita na cabeça: quem ou o que era o ser com o peito aberto encontrado na nave alienígena em LV-426?

O set de filmagens de Alien – 1979

Pois bem, 33 anos depois, Scott resolveu responder essa pergunta com Prometheus. Teoricamente, conheceríamos a historia do Space Jockey, o alienígena encontrado em Alien e saberíamos o que houve com ele. Mas não foi bem isso que aconteceu. Por motivos de porque sim, Prometheus não se passa no mesmo planeta onde a Nostromo pousa (o filme de 2012 se passa em LV-223, virando Ursa Maior e a terceira à direita depois de Arcturo) e, em vez de amarrar a história com o clássico filme, essa bomba criou mais mistérios e pontas soltas na mitologia do Xenomorfo.

Esse sorriso… S2

Prometheus foi um desastre e só recentemente Ridley Scott assumiu que a película “tem problemas”. Enfim, como ele não larga o osso, um tempo depois da estreia do filme com a pior equipe científica da história, o cineasta declarou que uma continuação estava sendo elaborada mas que ainda não teria ligação direta com Alien e seria a continuação imediata do filme que, para quem não se lembra, acaba com a Dra Elisabeth Shaw (Noomi Rapace) e a cabeça do robô David (Michael Fassbender) indo ao planeta dos Engenheiros em busca de respostas.

Os cientistas de Prometheus

Paralelo a isso, Neill Blomkamp, diretor do excelente Distrito 9, do bom Chappie e do horroroso Elysium começou a brincar nas internets da vida, soltando imagens do Xenomorfo nas redes sociais com o número 5, dizendo que tava afimzaço de fazer um novo filme da série, coisa e tal. A coisa foi desenrolando, Sigourney Weaver entrou na onda, cabeças começaram a pensar na história, Blomkamp foi empolgando, Weaver disse que o roteiro estava fodão e o Sr. Scott, fazendo a sequência de Prometheus no seu cantinho, ficou enciumado. O filme que até então tinha a alcunha de Prometheus 2 de uma hora pra outra virou Alien: Paradise Lost e, algum tempo depois firmou-se como Alien: Covenant. Não obstante, ele mudou o rumo da prosa, dizendo que o novo filme traria as respostas que Prometheus deixou pendente e, pouco depois, veio a publico dizendo que esse seria o segundo de três filmes que antecederiam a trilogia original.

Na real, eu queria mesmo era mostrar o dedo do meio pro Sr. Scott

Blomkamp colocou as barbas de molho, o projeto aparentemente morreu com Scott mimimizando sobre como o projeto do cineasta sul africano nunca iria para frente e que ele ditaria o rumo da franquia, a bola é minha e só joga quem eu deixar e para quem reclamou e encheu meu saco que o filme anterior não tinha aliens, NESSE VAI TER PRA CARALHO. E VAI TER NEOMORFO TAMBÉM. E O QUE MAIS EU RESOLVER FAZER.

Xenomorfo, Neomorfo, Moemorfo, Dadamorfo… Alien: BdE!

E aí finalmente chegamos a Alien: Covenant que estreou em terras golpistas flagradas em áudio no último dia 11 de maio do ano de nosso senhor de 2017. E bora falar sobre. E à partir daqui tem spoiler. TejI avisado.

Pra você que é meio burro…

Covenant é uma gigantesca nave colonizadora que transporta mais de 2 mil colonos em sono suspenso e alguns milhares de embriões. Sua tripulação de 14 pessoas e mais o sintético Walter, uma versão melhorada de David do filme anterior, seguem tranquilos até que obviamente dá merda, eles tem que parar no posto Ipiranga para reparos e nisso captam um sinal vindo de um planeta não identificado. Bom, sabem a missão que nós treinamos a vida toda para cumprir e que só é garantir o futuro da humanidade? Que se foda, vamos atrás do sinal desconhecido no planeta misterioso que, por sinal, nunca foi descoberto antes, mesmo com o espaço tendo sido esquadrinhado em busca de um mundo análogo ao nosso. Quem mapeou o espaço e encontrou um planeta habitável a 7 anos de distância deixou passar um que estava zilhões de anos luz mais próximo. Ok…

I know, Tommy…

Pois bem, calha que esse planeta é o tal planeta dos Engenheiros que David e a Dra Shaw foram procurar no final de Prometheus a 10 anos atrás. Resumo da ópera: David ficou doidão, matou o planeta todo (na cena abaixo mas que no filme é obviamente mais detalhada), e ficou brincando de cientista maluco com a meleca preta do filme passado. E sim, ele matou a Dra Shaw como geral havia especulado, de uma forma bem sádica por sinal.

Voltando à primeira linha da resenha, a resposta é não. Quer dizer, mais ou menos, bem pra menos. Vamos por partes:

Visualmente o filme é absurdamente impressionante assim como efeitos e trilha sonora. Impecáveis como todo filme de Ridley Scott. O que peca aqui de novo é o roteiro, dessa vez escrito por Jack Paglen e Michael Green. Esqueçam as perguntas que ficaram no ar em Prometheus. Quem são os Engenheiros, pra que eles nos criaram, o que David e o alienígena conversaram, porque albino boladão se irritou e tentou matar todos os humanos, etc… Tudo isso continua sem explicação e enlouquecendo os desocupados de plantão. Mas isso não é o principal problema da trama e se eu tiver que pontuar, destaco dois pontos gritantes que destoam de forma negativa na história: quão estúpidos são as decisões tomadas pelos personagens e como tudo parece muito forçado a dar errado para que a desgraça aconteça.

Não se preocupe. Eu vou fuder o próximo filme também

Dito isso, o filme segue meio irregular, fazendo referência o tempo todo à trilogia original, alternando entre momentos interessantes de suspense genuíno e susto gratuito, personagens fazendo coisas estúpidas e irracionais e por aí vai. Tudo isso para colocar o xenomorfo de lado e dar destaque para o novo vilão dessa trilogia: David.

Assassino? Sim. Diva? COM CERTEZA!

Entre mortos e feridos, o filme não é ofensivo como Prometheus e valeu por matar a saudade de ver em cena um dos monstros mais adorados do cinema mas alegria de probe dura pouco e roteiro desgraça mais uma vez a chance de retorno de um dos mais emblemáticos seres do cinema. Talvez seja hora da FOX peitar a teimosia de Ridley Scott que se acha dono da franquia porém segue apresentando filmes que não fazem jus à tudo que Alien fez à historia do de Hollywood a quase 40 anos atrás.

Haja paciência…
  • Pingback: E Sigourney Weaver volta à franquia Alien - Baile dos Enxutos()

  • JJota

    Deixando de lado que todos estes prequels são desnecessários…

    Cara, estes filmes são uma merdas!

    • Frogwalken

      Eu acho que não precisa a PORRA DE UMA TRILOGIA só pra contar quem era o maldito Space Jockey Engenheiro do Hawai…

      Fazer um filme do Alien é simples, só ter os seguintes ingredientes:

      – Alienigena(s) filho(s) da puta

      – Galera que vai ser morta de um jeito bem visceral

      – Momentos Cagaço dentro do contexto

      – Robô(s) que vomita(m) leite

      – Gente Nua Pelada Pornor

      Alguém precisa aposentar o Ridley Scott o quanto antes da franquia! D=

  • Alexandre

    Vi que o Fassbender está sendo bem elogiado como novo androide psicopata. Mas se é pra lembrar do filme original, vale destacar o serviço de Ian Holm como Ash. Uma senhora interpretação com uma das falas mais memoráveis do cinema. Rivaliza com o HAL9000 depois de deixar o Dave no espaço.

    I admire its purity. A survivor. Unclouded by conscience, remorse, or delusions of morality…

    E o prego no caixão:

    I can’t lie to you about your chances. But you have my sympathies…

  • Hique: de férias na Terra

    “Talvez seja hora da FOX peitar a teimosia de Ridley Scott”

    Meio difícil, já que essas merdas de filmes superestimados JORRAM MILHÕES nas contas do estúdio… apesar de serem uma merda.

    Já fiquei muito puto por saber que o filme de Blonkampf não sairá do papel. O melhor filme jamais feito da franquia pelo, visto.

  • Robin Hood

    Ridley Scott pegou a mesma doença contagiosa do George Lucas…caduquice!

  • Eduardo

    Melhor coisa: James Franco morrendo antes de 5 min de pelicula.

    Do trecho “prólogo” linkado pelo Sorg, apenas os 20 segundos finais aparecem no filme.

    “The Last Supper” é tudo o que vocês vão saber dos personagens, além do fato que 90% deles viram comida de xenomorfo.

    A garota que faz Daniels consegue ser mais fraca que Winona Ryder em Aliens Ressurrection (!).

    Danny McBride consegue ser mais fodão que Idris Elba (!!).

    Tudo o que se precisa saber sobre Blade Runner (2049) está na conversa dos “irmãos” Fassbender.

    O único filme que vi/verei em 2017… e perdi 30 temers.

    • Do trecho “prólogo” linkado pelo Sorg, apenas os 20 segundos finais aparecem no filme.

      Isso. É a idade.

    • Faltou citar a graba mais fácil da vida do James Franco.

  • Frogwalken

    Então Alien: Covenant é um PREMONIÇÃO com Xenomorfos? Que bosta!

    Mas vou querer ver por curtir a franquia, vou preparar meus ÓLEOS!

  • Super do BdE

    Prometheus tem uns furos muitos loucos. E não digo de deixar perguntas sem resposta, mas furos de roteiro mesmo.

  • Então realmente o Scott conseguiu fazer algo pior que Prometheus. alguém aposenta logo esse puto antes que ele invente de fazer um terceiro filme.

  • Roteiro de filme de terror padrão, com pessoas fazendo merda. Se a tripulação não for burra, não tem filme, ou vai dizer que tem sentido, no Aliens, os soldados treinados morrerem quase que na hora, mas a menininha ficar viva durante meses e SOZINHA? Tem que ter burrice…Tá, não tanto comparado ao Prometheus, mas tem que ter.

    • Frogwalken

      Porra Reves, implicando com esse detalhe? A binina já faleceu no cagado-porém-ainda-bom Alien 3, não tem porque ficar revirando o cadáver da guria. =P

  • O_Comentarista

    “Xenomorfo, Neomorfo, Moemorfo, Dadamorfo… Alien: BdE!”

    Aí seria a desgraça completa!

    Mais uma tripulação burra? PQP!