Mais um crossover para você amar odiar…

Salve, salve, cambada de Enxutos e Enxutetes! Após Bátemã vs. Hortelino e Lobo vs. Papa-Léguas, chegou a hora da Princesa Diana entrar na brincadeira na edição Mulher-Maravilha vs. Taz-Mania (ou Wonder Woman/Tazmanian Devil Special #1 na língua do Tolkien). Um pouco de spoilers?

Pois bem, na juventude, a Princesa Diana foi uma das poucas a entrar no Labirinto de Creta (aquele do Minotauro) e voltar com vida. Descobrimos que outras criaturas de tamanho poder andam por aquelas paragens e a Princesa, ávida por mostrar seu valor, consegue um prêmio para lá de cobiçado: a orelha de uma das criaturas mais temidas da mitologia antiga. Anos depois, após Circe invadir a Ilha Paraíso, com um artefato da Medusa que transformou suas irmãs em pedra, somente voltando ao Labirinto e pedindo auxílio àquela criatura é onde resta a esperança, mas será que Taz irá auxiliar a Mulher-Maravilha a roubar um amuleto do Minotauro para derrotar Circe, mesmo após ser enganado por Diana? São estas perguntas que obviamente não irei responder aqui e agora…

Comecemos as análises pelo trio responsável pelos rabiscos: Barry Kitson (lápis), John Floyd (tinta) e Lovern Kindzierski (cores). Em linhas gerais não curti. As feições são estranhas, apesar de possuir bons detalhes de cenários. As cores estão ‘neutras’, sem brilho, sendo que não é um ponto negativo, tendo em vista uma proposta mais ‘sóbria’ e calcada como se fosse um daqueles filmes antigos. É uma arte mais ou menos que dá para o gasto, mas não empolga e tem problemas que atrapalham.

O enredo de Tony Bedard parte de uma premissa interessante, tentando trazer o Taz para a realidade da MM em um contexto mais realista. Assim como nas demais (exceto a do Bátemã) que até agora resenhei, não vai ao limite da seriedade que teria chance de ir, fincando o pé ainda em um lado mais ‘leve’. Não há um humor escrachado igual à do Lobo, entretanto não chega ao ponto que sugere a capa da edição. O Taz acaba se mostrando ‘bonzinho’ e utilizando um argumento ‘força da amizade’ para que ele possa atuar ao lado da Diana.

Analisando a história bônus, aquela final ‘all-ages’ mais cartunesca (com arte de Ben Caldwell), o humor flui e tem nuances até mais interessantes que o arco principal. Partindo do final da série ‘séria’, há uma paródia da mítica história do Cavalo de Tróia, onde a Diana é Helena de Esparta, Taz é o príncipe Paris e Patolino o Rei Menelaus. Toda ‘cantada’ literalmente pelos personagens, mescla os Looney Tunes, em uma versão bem humorada, com um final diferente do que se espera do tradicional.

Conclusão? Como um divertimento simples e reto, é mais uma história que, a depender do seu tempo, pode ser lida sem nenhuma preocupação. Obviamente não é um clássico, mas em linha com uma proposta autocontida, mas com alguma liberdade aos autores, para brincar com os conceitos dos Looney Tunes, mais do que até mesmo com os medalhões da DC. Pelo menos nestas que li até o momento da “escrevinhatura” destas linhas mal-digitadas.

Nota: 6,5 de 10.

  • Fernando

    Vai rolar Robin x Piu-Piu? Superman x Frangolino?

    • Não. . RS

      Tem ainda do Ajax, Jonah Hex e Legião de Super Herois

  • pabloREM

    Gostei.

  • Resta ver se Ajax, o caçador de Marte, vs. Marvin, o marciano, vai prestar.

    • Próxima da lista

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Tem alguma locadora BR que já tem essas revistas traduzidas?

    • Desconheço. ..

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    TAZ é sabido demais, quer comer a Mulé-maravilha.
    Quem não quer?
    Pelada, amarrada, com mordaça na boca…

    • Frogwalken

      Maçã na boca, é um diferencial =P

  • Eduardo

    As historinhas no estilo cartoon parecem mais divertidas…

    • Nas que publiquei resenha até agora, sim, de fato. São mais animadas…. tum dum tsss

      • Eduardo

        Tá, pra não dizer que sou chato, a premissa do Hortelino x Batman é interessante… para um gibi do Bátema.

        • Esta é sim a melhor até agora. As outras estão bem no limite do OK, blz.

          Em 10/07/2017 17:41, Disqus escreveu:

  • Super do BdE

    Barry Kitson é um dos desenhistas mais sem graça que conheço. Tecnicamente o cara é correto, mas sem “sal”.

    • É estranho. Não tem ‘defeitos’ grandes demais, mas ainda sim é ruim.

      Em 10/07/2017 17:20, Disqus escreveu:

  • Frogwalken

    Taz e seus FETICHES SÉCSUAAAAAAAAAAAAAIS de ver a Diana amarrada e com maçã na boca! =P

    • Deixei propositalmente esta iBagem isolada para dar (ui) um a mais na história….

      • Eduardo

        Até os cartoons merecem uma refeição saudável.

    • Sir Jones Kast, Ph.D.

      E então

  • O_Comentarista

    Pelo menos o Taz tá interessando em comer a Diana…

    • Frogwalken

      50 Tons de Maravilha =P

      • Eduardo

        MasTAZ Chef…

    • O Bátemã estaria querendo ESTAR no lugar dela…