Tudo isso e muito mais na Resenha Enxuta: Superman #44

Salve, salve cambada de Enxutos, Enxutetes e Trutas em geral. Apesar do título, esta análise passará desde a Superman #41 até a #44, em um resumo bem resumido de tudo o que aconteceu até aqui com o outrora maior herói dos quadrinhos. Enfim, para quem não sabe, ou não se importa, as mensais Action Comics e Superman estão em uma ‘quizumba’ temporal no melhor estilo Marvel de ser na época dos Iluminatti antes de Guerras Secretas: A&C se passa após o Superman perder os poderes e a Superman antes, explicando os ‘comos’ e porquês. Sim, a DC estava na ânsia de divulgar o seu ‘novo’ Superman motoqueiro e, por conta disso, atropelou os fatos antes deles terem ‘acontecido’. Ou não, afinal tudo é estratégia de marketing hoje em dia, I Know Right?

Superman 44 00

Ainda na linha do ‘não sabe e não se importa’, o Superman N52 descobriu um novo poder, o bendito ‘super flare’. Este consiste basicamente de uma ‘explosão solar’, onde o Super libera toda a energia armazenada em suas células de uma vez, em uma ‘explosão’ que pode ser controlada. O problema disso é que precisa de um tempo para ‘recarregar as baterias’, ficando com seus poderes tradicionais reduzidos. Claro que estou dizendo sobre a mensal foco desta análise, haja vista que nos demais títulos, o cabrón já não os recupera mais e ainda não temos a explicação do porquê disso. Ainda.

Seguindo o Baile. Nesse meio tempo, Kal-El acaba sendo chantageado por alguém ‘misteryozú’, pois este ‘alguém’ descobriu sua identidade secreta. Mas como? O próprio Kent nos explica: ao ficar mais fraco após o uso do Flare, acaba perdendo parte dos super-sentidos e fica vulnerável por não perceber se há alguém o observando quando da troca de uniforme. Por conta deste inimigo, acaba salvando uma mulher de cabelos azuis, mesmo que inicialmente não o quisesse, pois o tal ‘misteriozú’ não o permitira. E neste salvamento, sua identidade é revelada para Lois (como não poderia ser o ‘superman’ a salvar a bendita mulher, Clark usa uma roupa negra com rosto coberto. Ao fim e ao cabo, ao retornar para um carro onde Jimmy o esperava, Lois também lá estava. Os ‘nimigos’ perseguiram-nos e Clark é alvejado. Como não ‘mórreu’ e fora ele quem salvara a mulher, FINALMENTE Lois junta os pontos e desmascara o herói).

Superman 44 02

A princípio, Lois não revela sua identidade ao mundo, mantendo segredo. Por fim, Hordr-Root (o bendito inimigo) acaba descobrindo o paradeiro do quarteto, após altas aventuras e confusões dos heróis tentando invadir seu quartel-general. A fim de evitar que seu segredo fosse revelado, Kent segue as instruções e vai ao local indicado pelo vilão, mas acaba convencido de levar Lois a tira-colo. O plano do vilão é revelado: para manter a identidade secreta, Kal-El é obrigado a usar o Flare para que uns robôs absorvessem seus poderes. A esta altura, Lane conseguira invadir o esconderijo secreto e presencia a agonia do herói. Aí toma a decisão de revelar a identidade ao mundo, via seu smartphone. Assim, Kent já não precisa mais se conter, liberta-se do jugo do vilão. Obviamente não fica feliz com Lois.

Superman 44 01

Finalmente na edição 44, os vilões começam a tomar proveito da situação. A gangue Royal Flush aborda Clark no meio da rua, sem maiores cerimônias. Alegando desconfiar que Super está com poderes reduzidos, tentam mata-lo, mas obviamente sem sucesso. Neste interim, General Lane congratula a filha pelo que fizera e afirma que o exército está atrás de Kal-El, mostrando ainda não confiar no alien. Mal se livra dos Royal Flush, Superman descobre que outro bando tomara o Planeta Diário e seus colegas de trabalho como reféns. E mais uma vez isso é trabalho para o Superman.

Por fim, quando os vilões estão derrotados, outro personagem vem se vingar de Kent. Dylan, um cidadão que teve sua esposa e família morta por conta de um incidente envolvendo um vilão do Superman, decide matar o herói. No confronto, Dylan acaba atingindo Perry White com um disparo. Situação contornada, bandidos presos. Entretanto, no hospital, Perry se sente traído por Kent e o manda tomar caju (mais ou menos isso).

Superman 44 03

No clímax da edição, Superman manda um recado por vídeo a todos os vilões, com a ajuda de Olsen: fiquem longe dos meus amigos ou sofrerão as consequências. Em um último papo com Lois, ela tenta demover Clark desta visão ‘olho por olho’, mas o herói diz que o momento atual requer medidas extremas, deixando Lois falando sozinha. A edição termina com Clark cortando o famoso topete com uma espécie de vidro e Hordr-Root ainda vivo falando sobre seu plano de dominação mundial…

Superman 44 05

As análises. Eu curtia o Romita Jr. Sério. Na época do Aranha, parecia que o traço dele fora feito para o personagem. No entanto, desde a época do Capitão América, onde se notava que o trabalho de arte finalização e cores sustentavam seu traço, compensando os problemas, Romitinha vem mal das pernas. Seu ápice na ruindade, infelizmente, é este Superman. Até que nas últimas edições deu uma melhorada, mas ainda sim temos Superman corcunda, proporções falhas, alguns ângulos pitorescos… como mencionei, melhorou um pouco (só um pouquinho), mas muito aquém do esperado. Por sinal, arte do Romitinha a parte, a aparência de Kent está tão diferente que, salvo o uniforme e o topete, pouco lembra o herói clássico. Sim, eu sei, ele é mais jovem, mas sei lá… é estranho.

O china de Tóquio Gene Luen Yang começou ‘assim, assim’, entretanto, aos poucos, vai mostrando seu plano geral para a história. Sem pressa, ignorando a ‘atropelada’ editorial com o Super Motoqueiro, o china vai desenvolvendo o enredo, tentando justificar o plot-master da DC para o herói. Não é um enredo primoroso, mas vai conseguindo aqui e acolá dar um tom crível ao que se passa, mesmo que para mostrar uma Lois Lane ‘fdp,’ mas não muito. Ou para levar o Homem de Aço a ser menos heroico, fato este que me desagrada aos montes e chega a ser uma contradição ‘interessante’. Enquanto na A&C era vendido nas capas um Super bad boy, mas no conteúdo nada disso acontecia, aqui é o inverso. Ok, não é bad boy ainda, contudo suas atitudes são mais, digamos, mais diretas e heterodoxas ao cânone do personagem.

Enfim, em um mundo onde Kéfera Buchmann e seus correlatos tem milhões de seguidores/leitores jovens e lançam livros, não há de se esperar que um herói clássico vá fazer tanto sucesso. Sem julgamento de valor, apenas atestando fatos e dados, é possível pensar que um jovem destes poderia gostar de algo ‘certinho’ e ‘careta’? Até é mais do que provável que tenhamos sim alguns fãs. Mas não é o ‘core business’ desta rapaziada. Neste cenário, obviamente a DC precisa fazer o personagem se comunicar com esta massa. Daí o Man of Steel. Daí o Super Motoqueiro. A necessidade recorrente do badass. Eu já vi este filme e no fim o ícone sobrevive. Longa vida ao Super-Homem. Com ou sem poderes, com ‘atitude’ ou sem atitude, ele é e sempre será o Homem de Aço.

Nota 7,0 / 10

Comentários Facebook (O DISQUS ESTÁ ATR... LOGO ABAIXO)

Comentários Disqus

BDE1