Aquele certo momento que você vê que as coisas não poderiam piorar e pioram duas vezes…

Enfim, eu ia deixar de resenhar essa coisa, mas depois que matei um gato, decidi ler a #4… e sim sou a merda de um Bill.

Robotech #3 – Mais um desastre de edição.

Eu poderia dizer que não tem nada de novo, mas aí eu estaria mentindo. A edição é um desastre…

Imagine um gordo mórbido e coloque-o num carrinho de mão. Em seguira deixe ele no começo de uma ladeira e um X-Egg Bacon do lado, para ele fazer esforço para se desequilibrar e sair ladeira abaixo. É exatamente essa edição.

É um atum espacial, sério!

O que era para deixar intacto mudaram e o que era para mudar, deixaram intacto! A relação inicial de Minmei com Rick, de possível melhor casal, virou praticamente uma guerra de sexos. Com a guria antes passiva, tomando a iniciativa e até sendo “mais macho” que o coitado.

Fora que esse deveria ser o tema central da edição e é jogado como subplot, deixando outras sequências, que sequer existiam, mais interessantes do que a relação cão e gato entre os dois e, pra completar, a sequência icônica da cabeça do atum sequer existe (na verdade existe, mas eu a ignoro completamente, devido ao que vi…).

Um. Atum. Espacial.

A edição termina com o mais feio Breetai e Exedore mostrando os dentes (devem ser patrocinados pela Colgate) e salientando que devem pegar de volta a nave.

No anime essa cena tem algum sentido!

Robotech #4 – A tortura.

Space Stalin Not Amused.

A história começa há 10 anos, quando a futura SDF (muita ênfase nessa “futura”, já que é praticamente isso que aconteceu. Em algum ponto do futuro a SDF volta no tempo e mata toda sua tripulação) caiu na ilha de Macross. Fokker e o comandante Hayes entram na nave e se deparam com muita coisa feita na terra… Hayes chega a um corpo de mulher, vê a sua dog-tag e fica em silêncio.

Dias de Um Futuro Tardio de Um Presente que Quero Esquecer.

Nos dias atuais, na nave comando do “Breetai que Ri”. Exedore mostra uma foto do Paulo Guina espacial, com um terráqueo explicando a diferença de tamanho entre os dois e o oco que isso iria gerar.

“Humano, já ouviu a piada do elefante que casou com a formiga?” – Paulo Guina Espacial.

De volta a SDF-1, após se recuperar da mudança de ambiente, Rick tem a recepção mais fria de sua vida, vinda da mais feia Minmei já desenhada, e por isso manda a guria se enxergar.

Na ala de engenharia da nave, Doutor Langstron explica ao Comandante Stalin, digo Gloval, que o sistema de dobra deu uma de João sem braços e se mandou, sem ninguém perceber. Além de explicar que, por causa do rombo, eles teriam que fazer a transformação da nave em robô. Gloval, com cara de “vou te mandar pra algum gulag na Sibéria”, manda Lisa ir pra ponte de comando e, se alguma merda desse, ela teria permissão para comandar tudo.

Após duas páginas de encheção de linguiça, como se fosse um “encontro aleatório de RPG”, surge do nada uma nave Zentraedi e começa a atacar a SDF-1. Lisa liga pro professor Lang e manda ele ativar a transformação. O que replica dizendo que ela estava tendo problemas. Eis que despenca Gloval do nada e, dando uma de general, diz que vai resolver a merda toda pessoalmente! Resultando na página dupla mais NONSENSE que já tive a infelicidade de ver na vida e olha que já vi muita coisa aberrante…

A melhor página dupla já vista… SQN.

De volta a ponte de comando, Lisa ordena aso caças alçarem vôo, DURANTE A TRANSFORMAÇÃO DA SDF, como se não fosse influenciar em nada tal feito para as naves pequenas. Enquanto a nave Zentraedi ruma mais perto da SDF-1, Rick já recuperado vai ver que droga era aquilo tudo e ouve pelo rádio para todos os pilotos entrarem em seus robôs-tanques. Ele, dando uma de “Sei pilotar, porra!”, segue um grupo até o hangar e entra num Destroid (o tal robô-tanque), sem nenhum tipo de treinamento para tal feito…

A SDF-1, dando uma de OPM, soca a nave inimiga, abre a portinhola e de lá saem os Destroids, que atiram seus mísseis dentro da coisa toda. Explodindo-a por dentro e sem causar dano a SDF ou aos Destroids, ali de “peito aberto”. O “Breetai que Ri” vê a cena e fala que terão que chamar reforços. Na SDF a ponte de comando comemora a vitória, quando de repente se tocam onde está o capitão… Na cidade destroçada, graças aos esforços de cidadãos, é encontrado, debaixo de escombros, o corpo de Stalin… digo, Gloval, aparentemente sem vida.

Stalin está Morto. Longa vida a Stalin.

O que dizer de ambas… esse vídeo descreve minha reação:

.
Sério, faço minhas as palavras de um membro do forúm MacrossWorld:

So are people actually buying this comic… like with actual money?

Nunca vi coisas tão malfeitas, ainda mais no âmbito “profissional”. Custa a acreditar que isso venda ou tenha reimpressão. As únicas coisas que se salvam mesmo são as capas, que, em sua maioria, são desenhadas por outras pessoas.

Nota: -3 e -4, respectivamente para cada edição.

VOCÊ TAMBÉM QUER VER SEU TEXTÍCULO, IMORTALIZADO NO BDE? CAPRICHE NAS IMAGENS, DEIXE A LUÇ DE DADÁ GUIAR SEUS DEDINHOS E MANDE TUDO PARA OBAILEDOSENXUTOS@GMAIL.COM.

  • starscream2

    Você continua se torturando com isso, Anubis? Meldeus…

    • Anubis_Necromancer

      Todo mundo precisa de uma tortura básica

  • Robin Hood

    Depois dessas heresias, espero que esses pulhas passem bem longe de querer fazer uma versão de “Zillion”

    • Anubis_Necromancer

      To esperando floopar que nem ocorreu com Voltron From the Ashes.
      CARARIO NUNCA VI COISA TÃO RUIM NA VIDA ANTES DESSE ROBOTECH!

  • Frogwalken

    Anubus, pare de se torturar e resenhe uns baratos bons da IDW, tipo Silent Hill. =D

  • JackInDaBox

    Anubis fazendo resenha contra indicativa, praticamente um Enxuto!!!
    Só o nome do Brian Wood já faz muitos passarem longe desse gibi.