Agora sim, é disso que o povo gosta, resenha de Vingadores – Ultimato – PARTE UM/COM SPOILERS!

Estejam avisados desse ponto em diante:

 “Ó, vós que entrais, abandonai toda a esperança.”

Antes de começarmos vamos a algumas considerações:

  • Não gostei da Capitã Marvel como filme. (diferente do Capitão Marvel que vale: SHAZAM!)
  • A única coisa que tinha visto sobre o filme em si, era o 1 trailer, gostaria que mais empresas fizessem isso: A PORRA DO TRAILER, NÂO TEM QUE ENTREGAR O FILME INTEIRO!

Cabeças iram rolar (sim isso é spoiler!) Fui com o Frangotte (futura senhora Majjin) e um grupo de amigos (alguns imaginários e outros não) assistir ao filme. Por incressa que parivel comprei os ingressos no dia da estreia no início da tarde. (isso no Rio de Janeiro) fechei a loja correndo e fomos assistir o tão aguardado filme.

Então vamos a sinopse retirada de algum site que não irei creditar.

Após Thanos eliminar metade das criaturas vivas, os Vingadores têm de lidar com a perda de amigos e entes queridos. Com Tony Stark vagando perdido no espaço sem água e comida, Steve Rogers e Natasha Romanov lideram a resistência contra o titã louco.

O Filme começa com o Gavião Arqueiro passando uma tarde com sua família (em uma cena bem no clima piquenique que acabou com a vida do justiceiro), quando o grande evento de extinção do primeiro filme ocorre. Sobrando apenas um desesperado arqueiro sozinho no parque.

Corta para o desesperançoso Tony pinga à deriva no espaço juntamente com a Medula, fazendo reparos na nave e vislumbrando a morte por falta de recursos. Quando finalmente eles veem uma luz no fim do túnel, Carol Denvers a Capitã Marvel. Ela pega a nave e os leva de volta para a Terra.

Chegando em nosso planeta os vingadores restantes e o Guaxinim de Trabuco, tentam entender e se reagrupar após o “estalo do Thanos”. Tony está descontrolado por causa de inúmeros fatores e se recusa a cooperar com o resto do grupo, chegando a arrancar o reator em seu peito em uma cena de descontrole/birra, que obviamente o deixa muito debilitado. O resto do grupo após se reorganizarem de forma rápida, são informados por Medula sobre o paradeiro do Titã Louco. O Grupo descobre que o vilão usou novamente a manopla do infinito e partem ao seu encontro.

Chegando ao planeta (do qual não lembro o nome, porém é o planeta onde titã está vivendo como “fazendeiro”), Cap. Marvel faz uma verdura e constata que não existem defesas ou tropas junto com Rick Roxo (se não viu esse meme, veja)

A Cap. Denvers chega de “barra estourada e especial cheio” dando pé na porta e soco na cara do vilão. Quando os heróis acham que a manopla será usada contra eles, Thor simplesmente amputa o antebraço de seu inimigo.

 Os heróis lidam facilmente com o Rick Thanos. Notamos que o vilão está bastante ferido, com o lado do corpo em que estava a manopla bastante ferido. O mesmo explica que usou a manopla novamente para destruir as joias do infinito, e que por causa disso não haveria como desfazer o seu ato de benevolência para com o universo. THANOS WINS! Quando ele diz isso Thor se descontrola e segue o conselho dado pelo vilão no filme anterior (da próxima vez acerte a cabeça) e decapita o vilão.

Os heróis retornam a nosso planeta azul e habitante restante do planeta lida com a dor da perda ao seu modo. Cinco anos se passam, a terra é um lugar diferente agora, menos habitado muitas construções abandonadas e um povo desolado. O reflexo da perda coletiva é gigante, cidades vazias, carros, lixo, prédios abandonados. Pessoas arrasadas pais, sem filhos, filhos sem pais e perdas em demasia para que um povo viva bem. Natasha Romanov assumi um papel de líder/coordenadora dos heróis restantes, tentando contar as ameaças (que pelo que é dado a entender também diminuíram drasticamente em ocorrências e grau de periculosidade).  Em uma conversa com Steve Rogers ela se irrita com o fato dele tentar ver coisas positivas no que ocorreu, tais como, menos fome planeta, a poluição estar diminuindo e até mesmo o trânsito. Também vimos que Clint Barton agora é um justiceiro “matador de bandidos”.  Então temos a primeira “sorte dos heróis”.

Após ficar cinco anos preso no reino quântico, Scott Lang é libertado, por acaso, por um rato que ativa os controles do portal da máquina do Dr. Hank Pym.

  Nota parece meio jogada essa história do rato, porem foram 5 anos até acontecer, conveniente para o roteiro? Sim porem achei esse gap temporal uma boa sacada.

Vemos um homem formiga andando pela cidade e tendo de assimilar o ocorrido, quando ele se depara com memorial com os nomes de diversas pessoas dizimadas por Thanos. Ele procura o nome de sua filha, mas só encontra o próprio nome, então parte ao encontro de sua filha, logo em seguida indo ao encontro dos vingadores.

Quando ele chega na base dos vingadores Natasha e Capitas ficam surpresos ao revê-lo, pois como ele sumiu no mesmo dia do estalo, todos pensavam que ele havia sido transformado em pó.

Falando nisso sempre me perguntei se a quantidade de pó gerada pela dizimação de metade da vida do planeta, não seria suficiente para matar a outra metade.

 Ele explica que o tempo no reino quântico é diferente e blá, blá, blá, e que para ele se passaram apenas 5 horas (ou dias não lembro) e não 5 anos. Logo eles chegam à conclusão que poderiam usar o reino quântico para alterar o passado assim mudando o presente.

NOTA: Esse é o primeiro plano deles, mas a viagem no tempo no universo Marvel do cinema não funciona assim, e por incrível que parece isso foi explicado em AGENTS OF SHIELD. 

Steve então resolve procurar Tony, pois agora eles realmente têm uma esperança de como impedir o Titã Louco. Inclusive é sugerido logo mais à frente no filme que matar o bebê Thanos evitaria assim todo o confronto. Tony Pinga diz que o plano não vai funcionar que é impossível navegar no reino quântico e blá, blá, blá, e que não vai ajudá-los pois é uma ideia de merda.

Então vemos, em minha opinião de bosta, a pior versão do Hulk já feita nos cinemas:

Acho que foi uma coisa da personalidade dada a ele, sinceramente não sei dizer, só sei que foi a coisa que mais me desagradou no filme.

É explicado que o Dr Banner e o Hulk finalmente se entenderam e fizeram mais uma dúzia de experimentos com radiação gama nesses anos. Chegando assim em uma forma hibrida perfeita.

Bem depois de alguns por menores (bebês e velhos) e uma explicação de como a viagem no tempo funciona na Marvel dos cinemas. Tony se junta ao grupo, faz as pazes com o capitas e partimos para o segundo ato do filme. Que vai ficar para uma segunda parte dessa resenha, dependendo de qual linha temporal você habitar.

Nota: Essa comparação é feita dentro do filme mesmo, para explicar as viagens no tempo. O tempo não “flui como em de volta para o futuro. Onde quando o Biff velho volta no tempo e altera o passo o próprio futuro é alterado.”

 No Universo cinematográfico da Marvel, quando se está no presente “A” e se volta no tempo para o passado “A”, e se altera algo no passado “A” uma nova linha é criada ou sempre existiu como uma possiblidade sendo daquele ponto em diante o presente “B”. Porem quem se deslocou da linha do tempo “A” vai voltar para a linha “A”.

Vou dar um exemplo:

Você volta no tempo e mata o seu eu no passado, você não desaparece. Para as pessoas que nesse passado alterado você morreu. Para as pessoas do seu presente você foi no passado e pode voltar ou não. No seu presente você nunca matou ninguém no passado.

<

p style=”text-align: justify;”>Na prática em seu presente nada foi alterado, é como se você tivesse ido a uma dimensão paralela que não tem tangência com a sua.  Na prática você pode ir viver nessa terra paralela se quiser ou até mesmo matar o Dadá. No seu presente nada irá mudar. Porém você pode vir para o seu presente com a cabeça do Dadá como troféu, pendurar na sua sala e até mesmo mostrar para o Dadá, não existe alteração no seu tempo ou paradoxo.